"MOCAMBIQUE PARA TODOS,,

VOA News: África

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Renamo diz-se preparada para nova guerra contra "arrogância" do Governo moçambicano

A Renamo, principal partido da oposição em Moçambique, assumiu hoje estar "preparada para a guerra" contra a alegada "arrogância" do Governo de continuar o processo eleitoral contestado pela força de Afonso Dhlakama, mas manteve "o privilégio do diálogo".

Em declarações à Lusa em Maputo, o porta-voz da Renamo (Resistência Nacional de Moçambique), Fernando Mazanga, corroborou as afirmações do secretário-geral do partido, Manuel Bissopo, no fim de semana, de que o partido está "preparado para a guerra".
"Falou a voz da autoridade (do secretário-geral). Na verdade, mantemos o privilégio do diálogo, mas essa postura não pode ser entendida como medo da guerra. Estamos preparados para a guerra", enfatizou Fernando Mazanga.
A Renamo, que moveu uma guerrilha de 16 anos contra o Governo da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) até 1992, "está em prontidão combativa à escala nacional" e vai responder com ataques na capital do país, no caso de uma ação militar do exército governamental, afirmou Fernando Mazanga.
"A decisão da bancada (maioritária) da Frelimo de aprovar uma lei eleitoral e uma Comissão Nacional das Eleições (CNE) sem consenso é um convite para a guerra, porque essa decisão é do tempo do monopartidarismo, que nós combatemos com guerra, mas com o foco no diálogo", declarou o porta-voz da Renamo.

A bancada da Renamo retirou-se da votação da nova lei eleitoral e da escolha do novo elenco da CNE por ter visto rejeitada pela Frelimo a sua exigência de que este órgão deve ser formado com base na paridade entre os partidos com assento parlamentar.
Fernando Mazanga qualificou como "uma falácia" a acusação da polícia na província de Sofala, centro de Moçambique, de que ex-guerrilheiros da Renamo reagrupados nas antigas bases do movimento estão a "aterrorizar" a população, fazendo revistas a peões e automobilistas.
"É uma falácia que a Renamo esteja a molestar a população, porque a população tem ajudado os antigos guerrilheiros em mantimentos", enfatizou o porta-voz do principal partido da oposição em Moçambique.
A retórica belicista é uma constante na Renamo e do seu presidente, Afonso Dhlakama, principalmente em anos eleitorais, como forma de conter a Frelimo do alegado recurso à fraude nos escrutínios.
Mas a ameaça de uso da força para impor o boicote das autárquicas deste ano e gerais (presidências e legislativas) do próximo ano está a provocar ansiedade em relação à resposta da Renamo quanto à aparente determinação do Governo de ir avante com o processo eleitoral.
Diversas iniciativas, nomeadamente da embaixada norte-americana, têm sido desenvolvidas junto do partido de Dhlakama, para inverter a posição mas, até agora, sem aparente sucesso.
PMA // MLL
Lusa – 02.04.2013

Sem comentários:

Enviar um comentário

| REFLECTINDO SOBRE MOCAMBIQUE |

| DEBATES E DEVANEIOS |

Angola24Horas

Últimas da blogosfera

World news: Mozambique | guardian.co.uk

Frase motivacionais

Ronda noticiosa

Ocorreu um erro neste dispositivo

Cotonete Records

Cotonete Records
Maputo-based group

Livros e manuais

http://www.scribd.com/doc/39479843/Schaum-Descriptive-Geometry