"MOCAMBIQUE PARA TODOS,,

VOA News: África

sábado, 22 de junho de 2013

Paz depende apenas de Guebuza

Por Edwin Hounnou
É preciso que a Frelimo afaste este cálice de sangue da boca do povo. A experiência da guerra dos 16 anos, que opunha o partido Frelimo às forças da RENAMO, recomenda que os dirigentes do Estado tenham bom senso na gestão da paz. Cabe ao governo a responsabilizar de manter a paz. O povo não vai perdoar a quem deixar o país resvalar para uma nova guerra. Nada justifica que o país volte a ser regado de sangue de pobres. O povo quer paz e desenvolvimento. Quer fazer a sua machamba e vender a sua mandioca, mapira, feijão ao longo das estradas sem medo. Espera ver o seu menino sorrir, crescer e a jogar a cabra-cega. 
A Renamo não está a exigir nada de extraordinário. Quer ver paridade nos órgãos eleitorais para que todos partam das mesmas circunstâncias. A Renamo exige que todos os cidadãos moçambicanos tenham as mesmas oportunidades de acesso à riqueza nacional, até agora reservada só a dirigentes superiores do partido Frelimo e dos governantes. Em democracia, é justo que o Estado seja despartidarizado, diferente do nosso Estado que se encontra aprisionado pelo partido governamental. O Estado não pode ser um comité do partido Frelimo. É justo que se exija acabar com isso. Todos nós queremos um estado que serve os interesses de todos os moçambicanos. 
O partido Frelimo e o seu governo não podem recusar uma exigência constitucional, sob pena de ser descartado nestas eleições, se elas forem, de facto, justas e transparentes. Mas, pelo curso do recenseamento, conclui-se que elas não serão justas nem transparentes e, como sempre, a subserviente Polícia de Intervenção Rápida será chamada para garantir a vitória da Frelimo, sob o olhar cúmplice dos representantes da comunidade internacional que enganam os seus povos com falsos relatórios. A Frelimo tem que entender que o país pertence aos moçambicanos e não é uma coutada de um grupo de indivíduos privilegiados que abocanham os seus recursos naturais.     
O Presidente Armando Guebuza ao recusar a paridade nos órgãos eleitorais, está a jogar gasolina para a fogueira que consume a paz. Ao ignorar os apelos para despartidarizar o Estado, o Presidente está a discriminar milhares de moçambicanos que trabalham nos serviços públicos e têm uma visão política diferente da do seu partido. O Estado não é da Frelimo. Os funcionários públicos trabalharem no Estado, mas isso não implica que sejam da Frelimo. A Frelimo e o Estado são entidades diferentes. A Frelimo é uma organização de um grupo de pessoas enquanto o Estado pertence a toda a comunidade.     
O Presidente ao persistir na sua arrogância, os empobrecidos pelas políticas incorrectas do governo poderão subir para o ringue por acharem que já não têm nada a perder porque o pouco que esperavam não o terão nunca mais. A instabilidade por que o país passa, agora, se deve à arrogância do governo que confia mais nas armas que na sabedoria do povo que grita pela paz. A paz depende muito mais de Guebuza que de Dhlakama.

Sem comentários:

Enviar um comentário

| REFLECTINDO SOBRE MOCAMBIQUE |

| DEBATES E DEVANEIOS |

Angola24Horas

Últimas da blogosfera

World news: Mozambique | guardian.co.uk

Frase motivacionais

Ronda noticiosa

Ocorreu um erro neste dispositivo

Cotonete Records

Cotonete Records
Maputo-based group

Livros e manuais

http://www.scribd.com/doc/39479843/Schaum-Descriptive-Geometry